Como perdemos o medo da morte?

O mundo parou num estacionamento chamado pandemia. No Brasil está difícil encontrar tema pertinente para discussão que não envolva a pandemia ou a crise política. Hoje me parece menos doloroso refletir sobre a relação do ser humano com a morte do que falar de política.

Creio que nos dias atuais não há uma pessoa adulta, em plena capacidade mental, que não reflita sobre a morte, sua e das pessoas que estão próximas. Isso não quer dizer que todos tenham medo da morte. E enquanto para alguns o medo maior é da própria morte, para outros o medo é de perder alguém.

A morte é um conceito criado pelo homem, assim como o luto. Todas as culturas, em qualquer tempo, tiveram ou tem seus ritos mortuários, como a mumificação, o enterramento, a cremação, o velório, etc. Para Edgar Morin, quando o homem se vê diante da morte, desencadeia uma espécie de trauma que o conduz a um esforço de adaptação a essa realidade, surgindo daí a crença na imortalidade. O horror e o medo surgem na consciência humana ainda na infância, no primeiro contado da criança com a morte, quando a essa vê sua individualidade totalmente confrontada. A nossa individualidade é mais confrontada quando aquele que morre está mais próximo de nós. Vemos, então, a vontade daquela pessoa negada, assim como a nossa própria vontade.

Essas concepções parecem explicar, de certa forma, as reações observadas diante da pandemia. No Brasil, a pandemia chegou mais tarde, em relação a grande parte do mundo. Antes dela se instalar aqui, o mundo assistiu horrorizado e assustado o crescimento desenfreado do número de mortes, principalmente no norte da Itália. Em 25 de março, na semana em que o Brasil lançou decretos com regras de isolamento social, a Itália contabilizava o imenso número de 7,5 mil mortes por Covid-19. No Brasil eram 232 mortos, mas sabíamos que o isolamento evitaria que acontecesse conosco o que estava acontecendo na Itália e em outros países. Corremos para as nossas casas, esvaziamos as ruas, abastecemos nossas dispensas como se estivéssemos em guerra – indício até de uma histeria coletiva. Tivemos muitos pesadelos, com medo de morrer ou de perder alguém que amamos.

Hoje, o Brasil ultrapassa as 72 mil mortes, no mundo são mais de 572 mil. E o que vemos na população é: muita gente não querendo mais saber de isolamento, reclamando até mesmo do uso de máscaras. Estaremos, então, na fase pós-traumática, adaptados à nova realidade, acreditando na imortalidade, como apontou Morin?

Morin também fala da noção de nação, que para ele se sobrepõe a individual. A existência de um indivíduo está vinculada ao grupo em que vive. O autor fala do caráter de guerra do Estado. Durante o combate, através do ideal de nação e da propaganda, o Estado faz com que o indivíduo perca o medo da morte, na medida em que quem está em perigo é a nação e não mais o indivíduo. Portanto, o Estado se apropria do indivíduo. A morte não é mais individual e traumática. Os mártires, aqueles que morrem em combate, são heróis da pátria.

Em março de 2020 todos diziam: “estamos vivendo momentos de guerra”. E o governo Brasileiro soube tirar proveito desta ideia. Logo, o inimigo da nação deixou de ser o Covíd-19 e passou a ser a crise econômica. Aos nossos mártires, os profissionais de saúde e outros trabalhadores de serviços essenciais que morrem na “linha de frente”, expressão usada em batalhas militares, toda honra e toda a glória. Serão homenageados como heróis da nação.

Será que deixamos de ser pais, filhos, amigos? Deixamos de ser indivíduos e nossas vidas pertencem à nação, o importante é salvá-la? Sem conclusões, sem respostas… Pergunto ainda: o que houve com aquele medo da morte de março de 2020?

Por Regina Zimmermann Guilherme

REFERÊNCIAS:

  1. MORIN, Edgar. O homem e a morte. Publicações Europa América, s/d, 1988.
  2. Dados sobre coronavírus. Disponível em: https://news.google.com/covid19/map?hl=pt-BR&gl=BR&ceid=BR:pt-419
  3. Bem Estar. Há um mês, Itália resistiu a tomar medidas mais restritivas contra coronavírus; hoje soma 7,5 mil mortes. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/03/25/ha-um-mes-italia-resistiu-a-tomar-medidas-mais-restritivas-contra-coronavirus-hoje-soma-75-mil-mortes.ghtml
  4. Crédito da imagem: A morte e Woody Allen. Autor desconhecido. Disponível em: <https://fantasticocenario.wordpress.com/2011/10/21/duplicidade-comica-a-morte-e-woody-allen/>

Sobre o autor

Regina Zimmermann Guilherme